A gestão de Instituições de Ensino Superior (IES) vem passando, nos últimos anos, por significativas e profundas mudanças advindas das conjunturas internas e externas. Essas mudanças exigem, das instituições de ensino, agilidade e capacidade de responder às demandas geradas pelo ambiente dinâmico da sociedade pós-moderna e/ou midiática, marcado por múltiplos avanços científicos, tecnológicos, sóciopolíticos, culturais, econômicos e religiosos. Estamos conscientes de que, neste contexto atual, é necessário enfrentar os perigos que tendem a ameaçar o ensino superior em nosso país como, por exemplo, a funcionalização econômica do conhecimento. O Brasil vem sendo invadido por uma publicidade massiva de programas de educação-instantânea, marcados pela visão de que a sociedade é um mercado e de que o ensino superior deve ser tratado como uma mercadoria. Estamos convencidos que estas suposições são profundamente equivocadas. Entendemos que o ensino superior é muito mais que um bem comercializável e que não pode ser subordinado a processos de padronização e reducionismos típicos de bens e mercadorias.

Neste momento em que, como Instituição de Educação Superior (IES), ousamos reelaborar, de forma participativa e sob a anuência da Organização Cultural Educacional Filantrópica, entidade mantenedora, nosso Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) 2009 a 2013, percebemos ter o compromisso de construir uma alternativa à resposta dada pelo mercado às necessidades sociais de ensino superior. Por isso, procuramos, no nosso trabalho, resgatar valores éticos e de solidariedade existentes na tradição cristã. Precisamos tornar realidade o trabalho do ensino eficaz, feito com carinho e total dedicação, da pesquisa e da extensão, com criatividade e inovação e com alcance social e eclesial efetivo, sempre buscando o rigor acadêmico exigido na academia.

Entendemos que o presente PDI 2009-2013, desenvolvido a partir das experiências vivenciadas na dinâmica do cotidiano da FAIFA, se constitui em compromisso de nossa instituição com o Ministério da Educação e Cultura (MEC) para mais um período de tempo. Procuramos atender à legislação pertinente e às necessidades da sociedade na qual está inserida. Temos consciência de que é o maior desafio empreendido pela instituição, visto que é necessário empenho, esforço, dedicação e sacrifício para que o presente plano seja efetivado enquanto política institucional, capaz não somente de nortear, mas também e, principalmente, de concretizar as ações da instituição.

Será necessário continuar a superar as dificuldades e os impasses que marcaram a trajetória da FAIFA até o presente momento. Entretanto, é nossa percepção que este processo de construção conjunta do planejamento lhe impõe enorme legitimidade e contribui, definitivamente, para sua afirmação na sociedade acadêmica e comunidade em geral.

Nesse ambiente organizacional e com essa consciência se deu a revisão e reelaboração do Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) 2009 a 2013 da FAIFA. Os trabalhos tiveram início com a determinação e deliberação por parte da Direção Acadêmica, com a anuência da Direção Geral, com a participação direta e indireta de docentes e discentes e sempre com o acompanhamento da Mantenedora, através da Diretoria Administrativa-Financeira. A reelaboração deste documento foi encaminhada, observando-se a trajetória institucional, a legislação de ensino vigente, as Diretrizes para Elaboração do PDI emanadas pelo MEC e as finalidades e objetivos da própria Organização Cultural Educacional Filantrópica (OCEF) para com a Faculdade da Igreja Ministério Fama (FAIFA). Uma vez definidas essas coordenadas gerais por parte da OCEF, houve formação, pela Diretoria Acadêmica da FAIFA, de uma Comissão para acompanhamento da reelaboração do PDI, encarregada de, sempre que necessário, debater e opinar sobre as pautas encaminhadas.

A Faculdade da Igreja Ministério Fama (FAIFA), consciente de seu papel institucional, enquanto Instituição de Ensino Superior (IES), sem desvalorizar o papel do antigo seminário maior SEIFA (substituído pela Faculdade FAIFA), tem procurado se firmar a partir da observação das diretrizes do MEC. Sabe que possui uma abrangência bem maior do que a do Seminário SEIFA e, por isso, possui foco diferenciado, visto que não atende somente aos interesses da Igreja Evangélica Assembléia de Deus - Ministério Fama - mas os da comunidade de modo geral. Essa abrangência foi discutida e, posteriormente, foram definidos a missão, a visão de futuro, os valores e as políticas norteadoras do desenvolvimento pretendido pela instituição, isso no firme propósito de consolidar a FAIFA como faculdade moderna e autônoma, capaz de intervir no meio onde está inserida e de servir à comunidade, promovendo transformações que possibilitem a valorização do ser humano em sua integralidade. Definidas essas questões iniciais, foram iniciados os estudos para as definições que constam do presente documento e que servem de norte à dinâmica da instituição.

No decorrer dos anos de trabalhos da FAIFA, houve várias reuniões para discutir os diversos aspectos do PDI, o que contribui para o aprimoramento das propostas nas diferentes áreas do PDI, envolvendo docentes, funcionários e discentes. As necessidades foram apresentadas, socializadas e, depois, sistematizadas pela coordenação encarregada da elaboração do documento final.

A proposta provisória foi encaminhada para o colegiado da FAIFA, sendo por este aprimorada e amadurecida. Vale ressaltar que, a partir das representações estudantis no colegiado, houve envolvimento dos alunos, que tomaram conhecimento das propostas e apresentaram suas sugestões, por intermédio de seus representantes. Em seguida, essa proposta provisória foi encaminhada para os órgãos deliberativos, a saber, a Diretoria Administrativo-Financeira da entidade mantenedora e os Conselhos de decisão superiores, sempre com a consciência de que o presente PDI é, acima de tudo, compromisso inalienável da própria Entidade Mantenedora com o MEC. A versão final foi a que resultou desse amplo processo de discussão e amadurecimento do texto.

De forma geral, a Organização Cultural Educacional Filantrópica (OCEF) está empenhada em construir uma faculdade moderna e competente, buscando a excelência acadêmica e teológico-científica, oferecendo aos alunos um ensino de graduação e de pós-graduação (lato sensu) de alta qualidade e buscando consolidar a pesquisa quando couber, respeitando a especificidade institucional, bem como a extensão. Estaremos comprometidos, também, com a missão de tornar essa Instituição de Educação Superior (IES) em uma instituição academicamente competente, administrativamente eficaz e financeiramente viável, capaz de captar recursos, sem comprometer ou vender sua dignidade e convicções, sem comprometer o seu perfil específico, além de constituir-se em modelo de gestão eficaz, participativa e, sobretudo, transparente para a Igreja e a sociedade. Pretende, enfim, uma faculdade em que haja espaço para a diversidade de dons e talentos, capacidades e habilidades, capazes de contemplar o pessoal técnico-acadêmico e administrativo, com professores que administrem o ensino no dia-a-dia, servidores que fazem a instituição e, sobretudo, estudantes que trazem muita vida, criatividade e alegria.